LIGA x FEDERAÇÃO – A Divisão do Rugby do Mato Grosso do Sul

No Brasil, o rugby começou a dar sinais de crescimento há pouco tempo. E com a inclusão do rugby 7’s como modalidade olímpica – que estará presente nos Jogos Olímpicos do Rio, em 2016 – o esporte teve suas dimensões ainda mais acentuadas.

Ainda que os holofotes da Confederação Brasileira de Rugby – CBRu – estejam voltadas para apenas alguns estados da Região Sudeste (SP, MG, RJ) e Sul (PR e SC) do país, o rugby está presente em todos os estados país.

O rugby está presente há mais de uma década no Mato Grosso do Sul, e atualmente o estado conta com muitas equipes:

– Campo Grande Rugby – de Campo Grande;
– Corumbá Rugby Clube – de Corumbá;
– Dourados Rugby Clube – de Dourados;
– Frontera Rugby Clube – de Ponta Porã;
– Guaicurus Três Lagoas Rugby Clube – de Três Lagoas;
– Mirmidões Rugby – de São Gabriel do Oeste;
– The Dragons Rugby – de Maracaju;
– Itaporã Rugby Clube – de Itaporã;
– Cedro Rugby – de Cassilândia.

Há pouco tempo atrás, a maioria dessas equipes estavam federadas junto a Federação de Rugby de Mato Grosso do Sul (FRMS) – a entidade máxima do rugby no estado.

Contudo, no dia 30 de maio de 2015, o rugby no estado foi dividido.

LRMS

Insatisfeitos com a gestão da FRMS, as equipes: Mirmidões Rugby, Dourados Rugby, Cedro Rugby, Corumbá Rugby, Frontera Rugby, Itaporã Rugby e The Dragons Rugby, se reuniram, e com a presença de mais de 50 integrantes, fundaram a Liga de Rugby do Mato Grosso do Sul – LRMS.

Raphael Sousa, Secretário de Mídia da LRMS, aponta a insatisfação das equipes com a federação como determinante para a criação da Liga:

– A iniciativa de criar a Liga se deu por causa de diversas situações, em que as equipes do interior não se sentiram respaldadas pela Federação. Além das divergências políticas, a burocracia e algumas decisões administrativas, que foram equivocadas e prejudicaram a evolução e fomento do rugby no interior do estado, que foram decisivas para tomada da decisão de criar a Liga.

Raphael Sousa afirma ainda que “a intenção da LRMS não é de causar atrito algum com a FRMS e que desejam apenas executar ações de forma mais democrática”, embora ambas não possuam ligação e agirem de forma autônoma e separadamente. Ademais, uma das missões da LRMS é desenvolver e expandir o rugby em todo o estado com excelência, organização, transparência e, acima de tudo, união.

xxx

Taça Corumbá 7’s 2015

A LRMS realizou neste semestre a Taça Corumbá de rugby 7’s, que foi o primeiro evento organizado pela Liga. Além disso, se estuda a possibilidade de executarem uma etapa na cidade de uma das ‘novas’ equipes, possivelmente em Cassilândia, casa do Cedro Rugby, clube recém criado.

Atualmente a Liga é presidida por André Medina (Mirmidões Rugby) e a vice-presidência é composta por um conselho formado por representantes de todos os clubes que compõem a LRMS.

FMRS

Por outro lado, a Federação de Rugby de Mato Grosso do Sul – FRMS – liderado por Daniel Figueiredo, alega falta de condições e que todo o possível, fora feito.

– A Federação não se opõe à criação da Liga. Ela se deu por descontentamento de alguns clubes com o trabalho de gestões anteriores da FRMS e, de fato, pouco foi feito pela Federação, entretanto, foi o máximo possível, dada as circunstâncias – poucos recursos e poucas pessoas interessadas em ajudar – em que a Federação se encontrava.

Daniel afirma que “a FRMS tem uma posição bastante definida em ser a entidade máxima do rugby em Mato Grosso do Sul e desde que assumi o posto na entidade, abri as portas para todos os interessados”.

E reitera a necessidade da filiação dos clubes junto à Federação.

– É importante para o crescimento e desenvolvimento do Rugby no MS que os clubes se filiem à FRMS, uma vez que a Confederação Brasileira (CBRu) trata com Federações – entidades máximas estaduais.

Daniel garante que ficará à frente da Federação até o final de 2016, data que ocorrerão novas eleições, porém sua principal meta vai muito além.

– O principal objetivo da FRMS será de reunificar o esporte no estado e fomentar incansavelmente as categorias de base, com inclusão do Rugby nas escolas e cursos específicos para os clubes reterem esses futuros novos atletas, além de torneios e festivais em categorias juvenis.

Embora FRMS e LRMS não estejam unidas, ambas buscam algo em comum: o crescimento do Rugby. O estado do Mato Grosso do Sul só tem a ganhar com esse “desentendimento caseiro”, os bons frutos dependerão da maneira como lidarem com essa nova situação.

Texto: Thiago Takemori

One Comment

  1. Nicolau Clarindo

    10/07/2015 at 22:33

    A Fala do Presidente da FRMS é a mesma fala dos representantes da FECARU (Santa Catarina), que presidem a federação desde que criaram, a unica diferença é que em SC os clubes que estão insatisfeitos não se envolvem e não querem fazer o mesmo que a LRMS, parece que tem medo de algo, e a federação de SC acaba sempre favorecendo 2, 3 equipes.

Leave a Reply

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *